UNIDADE RAPOSO TAVARES - Araçoiaba da Serra -MASC / FEM - MAIORES. acomodações separadas entre sexo.

11-4242.6185

11-4611.5166

A unidade RAPOSO TAVARES fica a 120 KM de SP. Tem uma  infra-estrutura impar.

O tratamento nesta unidade é de 08 meses de internação.

 VOLUNTÁRIOS E INVOLUNTÁRIOS

MÉDICO 4 VEZES POR SEMANA

 

Equipe completa:

Médico clinico ; médico psiquiatra; Psicólogos; enfermeiros; tec em enfermagem; Monitores; assistente social; Musicoterapeuta;

terapeuta ocupacional; Conselheiros em dependência química; Segurança; Cozinheiro; professor de educação física; nutricionista

etc... (MÉDICOS 4 VEZES POR SEMANA)

Metodologia

12 passos de narcóticos anônimos e alcoólicos anônimos; terapia cognitiva; terapia racional emotiva; programa de prevenção a recaída; temáticas; dinâmicas; laborterapia; espiritualidade (não se fala em nome de religião); terapia de grupo; terapia ocupacional; vídeo terapia; musicoterapia; Educação física; hidroginástica; pintura,

etc...

Infra estrutura impar:

Piscinas (parque aquático); Quadras; Campo de futebol; Salão de jogos; Acomodações em Chalés - Quartos com 4 a 6 pessoas (suites); Restaurante, etc...

 

Visitas mensais e após um período de desintoxicação a pessoa poderá receber ligações da família 1 vez por semana.

 

Após o período de internação a clinica também oferece um pós tratamento de 4 meses ja incluso no valor..

 

 

OBS: A clinica possui salão de cabeleireiro (manicure, pedicure), Ginecologista e cantina, estes serviços não estão inclusos no valor e são realizados mediante autorização e negociação de valores junto a família.

 

TEMOS ALGUMAS VAGAS PARA VOLUNTARIOS NA UNIDADE RAPOSO MACULINO E FEMININO NO VALOR DE 10 PARCELAS DE R$800,00

são poucas vagas, não percam esta oportunidade.

PARA TRATAMENTO INVOLUNTARIO CONSULTE.

UNIDADE ALUMINIO - MASC / FEM - MAIORES. Acomodações separadas entre sexo.

A unidade ALUMINIO fica a menos de 90 KM de SP. Tem uma  infra-estrutura execelente.

O tratamento nesta unidade é de 08 meses de internação.

 VOLUNTÁRIOS E INVOLUNTÁRIOS (AGORA COM MÉDICO 24 HORAS)

 

Equipe completa:

Médico clinico ; médico psiquiatra; Psicólogos; enfermeiros; tec em enfermagem; Monitores; assistente social; Musicoterapeuta;

terapeuta ocupacional; Conselheiros em dependência química; Segurança; Cozinheiro; professor de educação física; nutricionista

etc... (AGORA COM MÉDICO 24 HORAS)

Metodologia

12 passos de narcóticos anônimos e alcoólicos anônimos; terapia cognitiva; terapia racional emotiva; programa de prevenção a recaída; temáticas; dinâmicas; laborterapia; espiritualidade (não se fala em nome de religião); terapia de grupo; terapia ocupacional; vídeo terapia; musicoterapia; Educação física; pintura, ETC...

etc...

Infra estrutura impar:

Piscinas; Quadra; Lago, Campo de futebol; Salão de jogos; Acomodações em Quarto - Quartos com 4 a 6 pessoas (suites) com TV dentro dos quartos; Restaurante, etc...

 

Visitas mensais e após um período de desintoxicação a pessoa poderá receber ligações da família 1 vez por semana.

 

Após o período de internação a clinica também oferece um pós tratamento de 4 meses ja incluso no valor..

 

 

OBS: Não esta incluso no tratamento Cantina e Remoção, estes serviços não estão inclusos no valor e são realizados mediante autorização e negociação de valores junto a família.

 

TEMOS ALGUMAS VAGAS PARA VOLUNTARIOS NA UNIDADE ALUMINO MACULINO E FEMININO NO VALOR DE 10 PARCELAS DE R$700,00

são poucas vagas, não percam esta oportunidade.

PARA TRATAMENTO INVOLUNTARIO CONSULTE.

A excelencia no tratamento é reconhecida pela midia.

1176301_373517332751468_1879551091_n.jpg

Profissão Profissão Repórter é um programa jornalístico semanal brasileiro, produzido e exibido pela Rede Globo, que vai ao ar nas noites de terça-feira.A equipe esteve hoje (9), gravando programa especial que vai ao ar no próximo dia 25 de setembro. A equipe gravou cenas externas de Araçoiaba da Serra e faz reportagem especial sobre a UNIDADE RAPOSO TAVARES. LEIA NA EDIÇÃO IMPRESSA.

1234276_415730061866398_590955326_n.jpg

São Paulo
Primeiro dependente internado à força deixa clínica

Reinaldo Rocha Mira foi internado em fevereiro, quando o governo estadual iniciou o programa de internação compulsória de dependentes químicos

O primeiro dependente químico internado compulsoriamente no Estado de São Paulo, Reinaldo Rocha Mira, de 62 anos, saiu pela primeira vez da clínica em que é tratado e se juntou à família nesta quinta-feira. Reinaldo estava internado desde janeiro e, em março, havia sido transferido para um centro terapêutico de Araçoiaba da Serra, na região de Sorocaba. Na saída, ele foi abraçado pela filha mais velha, Ana Paula Mira, a mesma que o dopou com sedativos para possibilitar a internação. Depois, seguiu com a filha para casa dela, na zona leste de São Paulo.

A saída, que faz parte de seu tratamento, vai durar cinco dias. Reinaldo disse confiar no apoio da família para continuar longe das drogas — que ele usou pela primeira vez aos 12 anos. "Tenho receio pela minha fraqueza, mas confio no apoio da minha filha e quero rever meus filhos", afirma.

Reinaldo foi o primeiro internado à força no Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) no centro de São Paulo, assim que o governo estadual iniciou o programa de internação compulsória de dependentes químicos. Ele era usuário de crack e morava na rua.

Tratamento — A filha, a única dos cinco filhos que mantinha contato com o pai, o atraiu com o pretexto de levá-lo ao médico e ofereceu um café com sedativo. "Tive de fazer isso, pois ele estava num período muito violento e não aceitaria o tratamento", conta Ana Paula.

Reinaldo contou que os primeiros meses sem a droga foram muito difíceis. Depois, a saúde melhorou e ele até ganhou alguns quilos. Agora, espera perseverar no tratamento. "A droga não é um brinquedo e depois que entra é difícil sair. O vício é pior que uma doença", disse. O tratamento deve durar um ano. O processo de ressocialização exige que ele saia mais algumas vezes e reforce os vínculos familiares. "Quando ele estiver bom, vai saber que tem uma casa para ficar", disse a filha.

1237144_415729531866451_214678810_n.jpg

JOSÉ MARIA TOMAZELA - Agência Estado
O primeiro dependente químico internado compulsoriamente no Estado de São Paulo, Reinaldo Rocha Mira, de 62 anos, saiu pela primeira vez, nesta quinta-feira, 05, da clínica em que é tratado e se juntou à família. Reinaldo estava internado desde janeiro e em março havia sido transferido para um centro terapêutico de Araçoiaba da Serra, na região de Sorocaba. Na saída, ele foi abraçado pela filha mais velha, Ana Paula Mira, a mesma que o dopou com sedativos para possibilitar a internação. Depois, seguiu com a filha para casa dela, na zona leste de São Paulo.

A saída, que faz parte do tratamento, vai durar cinco dias. Reinado disse confiar no apoio da família para continuar longe das drogas que ele usou pela primeira vez aos 12 anos. "Tenho receio pela minha fraqueza, mas confio no apoio da minha filha e quero rever meus filhos." O dependente em tratamento foi o primeiro internado à força no Centro de Referência em Álcool, Tabaco e Outras Drogas (Cratod) no centro de São Paulo, assim que o governo estadual iniciou o programa de internação compulsória de dependentes químicos. Ele era usuário de crack e morava na rua.

A filha, a única dos cinco filhos que mantinha contato com o pai, o atraiu com o pretexto de levá-lo ao médico e ofereceu um café com sedativo. "Tive de fazer isso, pois ele estava num período muito violento e não aceitaria o tratamento", contava, enquanto aguardava a saída do pai. Segundo ela, Reinaldo era considerado um caso perdido. "Ele tinha levado todas as coisas de casa para trocar por droga e meus irmãos se afastaram. Passava a maior parte do tempo na rua." Ela ficará responsável pelo pai até segunda-feira à noite, quando ele deve voltar para o centro terapêutico. "O mais difícil vai ser mantê-lo longe da rua e dos amigos, mas eu e ele sabemos que isso é necessário."

Reinaldo contou que os primeiros meses sem a droga foram muito difíceis. Depois, a saúde melhorou e ele até ganhou "alguns quilos". Agora, espera perseverar no tratamento. "Isso (a droga) não é um brinquedo e depois que entra é difícil sair. O vício é pior que uma doença", disse. O tratamento deve durar um ano. O processo de ressocialização exige que ele saia mais algumas vezes e reforce os vínculos familiares. "Quando ele estiver bom, vai saber que tem uma casa para ficar", disse a filha.

 

Fones: 11- 4242.6185 / 4611.5166 Fixos